sábado, 29 de junho de 2013

SAÚDE - VACINA HPV PARA TODOS




http://www.geledes.org.br/areas-de-atuacao/saude/264-noticias-de-saude/19580-anvisa-aprova-vacina-contra-hpv-para-mulheres-de-todas-idades-no-brasil


hpv-pode-causar-verrugas-genitais-e-caancer-de-colo-do-autero-ou-de-paenis
A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) acaba de aprovar a indicação da vacina Papilomavírus humano 16 e 18 (recombinate) para meninas a partir de 9 anos, sem limite de idade.
A medida estende a indicação da vacina para prevenir o Papilomavirus humano, anteriormente permitida para mulheres de 10 a 25 anos, a mulheres acima dos 25, possibilitando que estas tenham acesso à imunização contra o HPV com objetivo de prevenir o câncer de colo do útero.
Com a mudança, basta que a paciente leve um pedido de seu médico em laboratórios da rede privada para ser vacinada. Já pela rede pública, há poucas cidades no país que disponibilizam a medicação.
A Anvisa frisa que a medida só vale para a vacina produzida pela GlaxoSmithKline, já que a solicitação da ampliação da idade partiu deste laboratório.
Cervarix, nome pelo qual é conhecida internacionalmente a vacina, oferece 93,2% de eficácia na proteção contra as lesões pré-cancerosas no colo do útero, pois imuniza contra os tipos de HPV 16 e 18, mas também oferece proteção ampliada contra outros tipos como 31 e 45, os principais causadores do câncer do colo do útero.
"Esta medida é extremamente relevante, pois permite à mulher, independente da idade que ela tenha, a oportunidade de se prevenir contra o segundo tipo de câncer mais prevalente em mulheres no país e um dos poucos que efetivamente pode ser evitado", afirma o gerente médico para vacinas da GSK, Otávio Cintra.
O câncer do colo do útero é uma das principais causas de morte em mulheres. De acordo com a OMS, o Brasil tem aproximadamente 69 milhões de mulheres com 15 anos de idade ou mais, com risco de desenvolvê-lo. O Inca (Instituto Nacional do Câncer) estimou, no ano passado, 17.540 novos casos de câncer do colo do útero a cada 100 mil mulheres e mais de 4.800 mortes em decorrência da enfermidade.
Um dos principais motivos para essa alta incidência é o aumento no número de mulheres vítimas do HPV (papiloma vírus humano), que é relacionado com praticamente 100% dos casos da doença.
"Hoje observamos um crescimento preocupante da infecção por HPV em todo mundo, incluindo o Brasil. Ampliar o acesso à prevenção da infecção pelo vírus é fundamental para evitar novos casos", explica o presidente da Associação Brasileira de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia, Garibalde Mortoza Junior.
Estudos recentes demonstram que, além de 100% de eficácia contra os HPVs 16 e 18, a vacina oferece proteção adicional, específica, contra infecções persistentes causadas pelo HPV 45 e 31, que são os tipos mais comuns do vírus causadores de câncer do colo do útero no mundo.
Essa proteção ampliada possibilita 93% de proteção contra as lesões associadas a este tipo de câncer. Os HPVs tipos 16, 18, 31 e 45 juntos são responsáveis por aproximadamente 90% dos casos de câncer do colo do útero em todo o mundo.



Fonte: UOL

MODA - COM CAMISA SOCIAL - DIY: Long Sleeve Shirts into Skirts (No Sewing)

Afro City Episode 1 "Afronistas"

sexta-feira, 28 de junho de 2013

MODA - REFERÊNCIA AFRICANA


https://www.facebook.com/photo.php?fbid=501876069876223&set=a.413499205380577.74489005.404925116237986&type=1&theater


MODA - REFERÊNCIA AFRICANA

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=512080038855826&set=a.413499205380577.74489005.404925116237986&type=1&theater



MODA AFRICANA

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=413965215333976&set=a.413499205380577.74489005.404925116237986&type=1&theater

MODA -

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=593051120739080&set=a.160021054042091.33338.128742283836635&type=1&theater

MUSSUM

http://noticias.terra.com.br/brasil/politica/feliciano-questiona-dilma-sobre-encontro-com-gays-somos-invisiveis,7c3d6a4dd5c8f310VgnVCM4000009bcceb0aRCRD.html

nkosi sikeleli africa

hino da áfrica do sul-tradução em português

domingo, 23 de junho de 2013

MARCHAS HISTÓRICAS

Rodrigo Costa entrevista Taís Araújo para L'oréal Paris


Taís Araújo no filme Nzinga


AÇÃO: Um aviso

MODA - Cor embeleza

AFRO N`ZINGA - salão afro de Brasília

http://www.lpp-buenosaires.net/olped/acoesafirmativas/exibir_opiniao.asp?codnoticias=22318



A Maria que dá graça e beleza à militância
7/5/2007 - Marília Matias de Oliveira - Fundação Palmares - Brasil
Brasília - Talvez as pessoas que freqüentam o salão Afro Nzinga Cabelo & Arte não imaginem como tudo começou. Não saibam que quem o começou não entendia nada sobre corte de cabelos. Essa pessoa ousada e decidida é Maria das Graças Santos. Ela não imaginava que o salão fosse fazer tanto sucesso quando entrou nessa empreitada. Militante desde o início do movimento negro na capital federal, Graça, como é conhecida e querida pelos candangos que a acolheram, soube enxergar a necessidade de valorizar a beleza e a identidade afro-brasileira.

Nascida em Floriano, Piauí, ela veio com quatro anos para Goiás. Estudou em Goiânia e fez faculdade de psicologia na Universidade de Brasília. Em 1971, quando chegou na capital do país, com apenas 18 anos, foi aprovada no concurso do Banco do Brasil e foi uma das primeiras mulheres a trabalhar na área administrativa do banco. E é nesse período, que uma amiga e colega do banco a convence a entrar na militância. "Quando eu trabalhava no Banco do Brasil em 1970 - que era a grande empresa - não havia negros, como até hoje não há. Mas a 30 e tantos anos atrás, menos ainda", observa Graça.

Maria das Graças participou da fundação da primeira entidade negra do Distrito Federal, o Centro de Estudos Afro-Brasileiros (Ceab). Depois, ingressou no Movimento Negro Unificado (MNU) em Brasília. E a militância daquela época, como conta Graça, estava na fase inicial, de reativação do movimento negro, de questionamento, de manifestações. "A gente conseguiu mesmo mudar muitas coisas nessa militância", afirma.

E tais mudanças tiveram grande importância. O fato de o racismo hoje ser crime é fruto do trabalho dos militantes da época, entre os quais, estava Maria das Graças. O MNU Nacional, em 1986, propôs e realizou a Convenção do Negro para participar da discussão da Constituinte, que resultou na Constituição Federal, em 1988. "Outro ponto importante dessa nossa proposta do encontro foi o título de propriedade aos quilombos, que entrou na Constituição como o artigo 68", conta ela.

Mesmo com todo esse histórico de militância, Graça tem uma visão muito mais ampla sobre o início do movimento negro no Brasil. "Esse início é desde que o primeiro africano colocou o pé aqui como escravizado. A gente é só uma continuação disso", afirma. E é com esse sentimento de continuidade que, hoje, mesmo sem estar vinculada a nenhuma entidade do movimento negro, ela não deixa de militar, seja por meio do salão afro, seja participando das discussões que promovem a igualdade racial.

Qual é o pente que te penteia?

Hoje, o salão Afro Nzinga e vários outros salões sabem como pentear, cortar e tratar o cabelo crespo. Mas, há pouco tempo, não existia outra opção para esse tipo de cabelo a não ser o alisamento, que é, de certa forma, uma negação da identidade negra. Observando essa realidade e buscando um meio para sustentar as ações do movimento negro, um amigo militante de Graça a convidou para inaugurar o salão Afro Nzinga.

"Quando você entrava na militância você se recusava a estar de cabelo alisado, então era o black power e tudo o mais", conta. Mas o difícil era encontrar alguém que soubesse cortar esse cabelo. "Aqui em Brasília, por exemplo, quando alguém descobria um barbeiro que soubesse cortar o cabelo, todo mundo ia nesse barbeiro", diz ela.

Graça, que era então bancária, e o seu amigo, professor, enfrentaram o desafio, mesmo sem entender nada de cabelo e nada de administração de empresa. E no Dia Mundial de Combate ao Racismo, 21 de março de 1992, o salão Afro Nzinga foi inaugurado em Brasília. Foi o primeiro salão afro da capital federal. "Pra nossa surpresa, a gente teve uma repercussão muito grande em Brasília, muito grande", conta.

Para se preparar para a grande procura que o salão já começou tendo, Graça disse que houve uma mudança na visão sobre o trabalho que estavam realizando. "A gente pensou que poderia levar também muito baseado na questão da militância. E aí a gente viu que tinha de mudar". Essa visão a fez viajar pra São Paulo, Rio, Belo Horizonte em busca de formação técnica e conhecimentos sobre o ramo.

"De repente a gente estava sempre mudando pra um espaço maior, porque aquele espaço já não comportava a quantidade", conta Graça. Hoje, o salão Afro Nzinga, localizado no Setor Comercial Sul de Brasília, mais especificamente no Conic, abrange não só o público negro, mas também o branco. "Nós temos clientes brancos, jovens, que querem um visual diferente e encontram no salão afro, desde as trancinhas, dreads, tranças coloridas, tererê", explica.

Salão também é cultura

Mas é claro que, vindo de uma militante como a Graça, o salão afro não seria apenas um salão de beleza. Por isso, no mesmo local onde os clientes cortam o cabelo, eles podem curtir um show musical, ver um ensaio fotográfico ou participar de um lançamento de livro. A idéia surgiu em 1998, ao perceber a falta de espaço em Brasília para as manifestações culturais afro-brasileiras.

"Este ano nós já fizemos dois lançamentos de livros", conta. Ela explica que o salão tem algumas propostas e também aceita propostas de fora. Não há programação fixa, mas os eventos são sempre divulgados com antecedência. No Espaço Cultural Afro Nzinga já passaram artistas como Maurício Pestana e o grupo Ilê Aiyê. "A gente faz todos os tipos de manifestações culturais, ou de artistas negros, ou quem trabalha com tema negro", diz.

Resistências e Mudanças

O ativismo de Graça ainda continua, não só no salão, mas também nos debates no Congresso Nacional. Isso porque, segundo ela, ainda há uma resistência muito grande quando se trata de promover a igualdade racial. "Ainda há muita coisa a ser feita, muita coisa a ser trabalhada", diz.

Ela afirma, por exemplo, que no caso da implantação das cotas, essa resistência se manifestou claramente. "Pessoas que sempre discutiram a questão racial, professores da USP que tem trabalho e que rejeitam isso", exemplifica.

Mas há também alguns avanços, segundo Graça, contra a discriminação racial no mercado de trabalho. "As representações conseguiram entrar agora dentro do Congresso com um grupo de trabalho, onde estão o Ministério Público, parlamentares e representantes dos bancos", conta. E a sua força de mulher, mãe e militante a impele a dizer: "Eu continuo otimista, continuo sempre ativa".
 

quinta-feira, 20 de junho de 2013

MODA - FASHION

AÇÃO - ACORDA BRASIL!

MODA - FASHION

MODA - VESTIDO

MODA - FASHION - NEW AFRICAN WOMAN

SAÚDE - AUTO EXAME

AÇÃO - ACORDA BRASIL!

AÇÃO - ACORDA BRASIL!

domingo, 16 de junho de 2013

OPHAH WINFREY DOA 12 MILHÕES DE DÓLARES PARA MUSEU


http://www.revistaafro.com.br/poder/oprah-winfrey-doa-12-milhoes-de-dolares-para-o-novo-museu-de-historia-afro-americana/

Oprah Winfrey doa 12 milhões de dólares para o novo Museu de História Afro-americana

13/06/2013 | 4 Comentários

A estrela da televisão norte-americana, e uma das figuras mais influentes da sociedade dos Estados Unidos, já tinha doado, em 2007, cerca de um milhão de dólares para a criação do projeto do maior museu afro dos Estados Unidos, o Museu de História Afro-americana, que deverá abrir ao público em 2015. No entanto, a notícia surpreendeu…
A apresentadora anunciou que vai doar uma nova quantia para a conclusão do projeto: 12 milhões de dólares.
“Estou muito orgulhosa da história afro-americana e da sua contribuição para a nossa nação como um todo (…). Ao investir neste museu, quero ajudar a garantir que vamos honrar e preservar a nossa cultura e história, de modo que as nossas histórias possam continuar a viver nas gerações seguintes”, referiu Oprah Winfrey, num comunicado.
O museu, cujas obras de construção iniciaram oficialmente em fevereiro de 2012 com a presença do presidente norte-americano, Barack Obama, envolve um investimento na ordem dos 500 milhões de dólares. Metade da verba é garantida pelo Congresso norte-americano.
No museu, que ficará instalado num edifício de sete andares, os visitantes poderão percorrer os principais fatos que marcaram a história afro-americana, incluindo a opressão racial e as conquistas da comunidade negra dos Estados Unidos.

terça-feira, 4 de junho de 2013

RACISMO: em Brasília, outra vez.



http://www.youtube.com/watch?v=stxNQYQJDno&feature=player_detailpage


Mulher é presa em padaria acusada de racismo

RACISMO - em Brasília, de novo! Mulher em padaria.

http://videos.r7.com/mulher-e-presa-em-padaria-acusada-de-racismo/idmedia/51ac88b60cf236eff5fe199e.html

Mulher é presa em padaria acusada de racismo

Uma mulher é acusada de racismo contra funcionários de uma padaria na Asa Sul, área central de Brasília, e foi presa. A cena foi gravada por uma cliente que ouviu tudo.

Veja também:

Mulher é indiciada por injúria racial após insultar funcionários negros de padaria

Menina de 12 anos é agredida dentro da escola e acusa colega de racismo